<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1159528794088341&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

CANAL WESTCON
Toda informação da tecnologia está aqui.

Saiba quais são as três tecnologias do futuro

Elas ainda não são o centro das atenções, mas já demonstram potencial para modificar o cenário tecnológico corporativo em alguns anos.

 

Saiba quais são as três tecnologias do futuro

 

As tecnologias do momento, cloud, analytics/big data, mobile e social, devem se consolidar ainda mais nos próximos anos. Se hoje são úteis para as empresas que querem se destacar no mundo corporativo tecnológico, daqui a alguns anos elas serão essenciais e farão parte das necessidades básicas de uma corporação, abrindo espaço para que outras tecnologias sejam o centro das atenções.

E quais são as tecnologias que estarão aquecidas em 2020, por exemplo? Para quais vertentes os especialistas em T.I devem se atentar? Para Cezar Taurion, CEO da Litteris Consulting e autor de seis livros sobre Open Source, Inovação, Cloud Computing e Big Data, existem três áreas que merecem atenção especial: internet das coisas (IoT), impressoras 3D e computação cognitiva.

A primeira área que deve causar furor em alguns anos é a internet das coisas (Iot). A conexão de itens utilizados no dia a dia como eletrodomésticos, eletroportáteis e maçanetas, por exemplo, é uma tendência crescente entre os usuários comuns da rede. A utilização da tecnologia vai de encontro à necessidade frequente das pessoas de facilitar a rotina diária e economizar tempo.

No mundo corporativo cada vez mais online a tendência de conectar “coisas” à internet o tempo todo também é grande. Além de fazer máquinas conversarem melhor entre si, há outras vantagens como economia de tempo e de energia. Por exemplo, um cenário onde sensores identificam quando o último funcionário sai da empresa, ao passar o crachá, e então desliga todas as máquinas, luzes, ar condicionado, etc.

Segundo a Gartner, a expectativa é que em 2020 serão mais de 40 bilhões de dispositivos conectados (excluindo smartphones, tablets e celulares). A quantidade de itens “plugados” irá girar trilhões de dólares de valor econômico mundial em tecnologia e, principalmente, serviços. O grande desafio será inovar nesse cenário, seja com processos, modelos de negócio ou mesmo novas indústrias.

Outra tecnologia promissora é a das impressoras 3D. Por possibilitar a fabricação precisa e complexa de produtos, ao mesmo tempo em que elimina etapas do processo de produção, a impressão 3D tem potencial de sobra para modificar o cenário de negócios, transformando a indústria.

Conceitualmente o processo é bastante simples: pegar uma imagem digital de um objeto e fatiá-lo em milhares de camadas, que em sequência são transferidas para a impressora, que cria um objeto tridimensional ao produzir cada camada com plástico, areia ou outros materiais.

Mesmo sendo promissora a tecnologia da impressão 3D ainda está em fase inicial e não reúne forças para fazer uma revolução industrial imediata, mas nada impede que em um futuro isso não possa ocorrer. Ainda mais considerando que muitas patentes básicas expiraram ou irão expirar nos próximos anos, abrindo então espaço para que startups do setor se popularizem.

Um exemplo mais concreto do sucesso 3D é a Ford, que tem alcançado resultados instigantes. A montadora utiliza impressoras 3D para fazer moldes e protótipos de motores e peças de transmissão. Hoje, a Ford gasta cerca de 3 mil dólares e quatro dias em um processo para imprimir o protótipo 3D do coletor de admissão de ar em um motor. Anteriormente, o mesmo processo custava 500 mil dólares e levava quatro meses.

Por fim, a computação cognitiva também é uma tecnologia que deve ser acompanhada com atenção nos próximos anos. A área, que utiliza da capacidade dos computadores pensarem (quase) como seres humanos, otimizando a relação com o usuário, pode ditar as mudanças tecnológicas no futuro.

A automatização pode eliminar ou ao menos reduzir a necessidade de pessoas em determinadas atividades que hoje, aparentemente, estão “seguras”. Profissionais de áreas administrativas de nível júnior ou intermediário como advogados, por exemplo, que fazem buscas e pesquisas em processos em papel, podem ser substituídos por tecnologia especializada na área jurídica, que irá eliminar todo trabalho manual.

Atualmente, de maneira geral, um assistente pessoal depende basicamente da nuvem que está na retaguarda co m todo o seu complexo conjunto de softwares de análises. Contudo, existem empresas investindo no projeto de chips que permitirão que grande parte da inteligência passe a residir no próprio dispositivo e não na retaguarda.

 

Conheça a ForeScout

Posts relacionados

5 dicas para reduzir custos em TI

Veja como automatizar processos, investir em equipamentos de qualidade e muitas outras ações podem ajudar a equilibrar o orçamento.

8 principais erros de outsourcing de TI para seus clientes evitarem

A capacidade de uma empresa de gerenciar e produzir uma equipe de desenvolvimento competente terá grandes implicações para seu sucesso ou fracasso.

Modernizando a TI: como o CIO pode agregar valor para os negócios?

Com uma visão geral de toda a empresa, fortes relações de TI e foco no valor, os CIOs podem expandir seus horizontes.

Escreva seu comentário