<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1159528794088341&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

CANAL WESTCON
Toda informação da tecnologia está aqui.

Quais são as maiores ameaças ao Bitcoin e como se proteger?

O uso de moedas digitais aumentou entre as empresas, o que tem chamado cada vez mais a atenção de criminosos. Saiba quais medidas devem ser tomadas para evitar essas ameaças. 

 

Quais são as maiores ameaças ao Bitcoin e como se proteger? 

 

 

 

O bitcoin, a criptomoeda que permite a realização de transações online de forma autônoma e segura, tem sido cada vez mais explorado por investidores e usuários que buscam uma maior economia, confidencialidade e otimização em suas operações. Para utilizar essa tecnologia, as empresas precisam de dispositivos com alto desempenho para se conectar a cadeias de blocos, ou Blockchain, onde as transações são registradas e validadas.

A privacidade online e a proteção dos dados digitais têm sido os principais atrativos para os usuários que querem utilizar essa moeda virtual. Entretanto, por não compreender totalmente como essa tecnologia funciona, podem acabar correndo riscos de perder seus bitcoins ou de ficar vulneráveis a algum ciberataque.

Para que seus clientes possam realizar suas transações digitais com segurança, é importante conhecer quais são os perigos que rondam os bitcoins e quais as medidas de proteção que devem ser tomadas para se prevenir. Pensando nisso, preparamos esse artigo para que sua revenda conheça quais são as principais ameaças e dicas de segurança. Confira:


As três principais ameaças ao bitcoin


1 - Falha humana: o principal contratempo ao se realizar operações com criptomoedas é justamente a ocorrência de erros causados pela pessoa responsável pela tarefa, como a perda ou compartilhamento com outras pessoas de senhas, o acesso a sites mal intencionados com o mesmo dispositivo utilizado para executar a transação ou até a perda ou roubo do aparelho e a digitação do endereço errado quando for enviar ou receber criptomoedas, entre outros.

2 - Falhas técnicas: caso a empresa tenha alguma brecha de segurança, como seus dispositivos desatualizados ou não contar com mecanismos de proteção eficientes, pode acabar sendo afetada por um ciberataque e ter grandes prejuízos financeiros.

3 - Pessoas mal-intencionadas: ainda que a criptografia presente no bitcoin dificulte que criminosos consigam hackeá-las, isso não é impossível. Muitos casos já foram relatados, por exemplo, de usuários enganados por ataques phishing, que criam sites falsos idênticos aos da corretora de criptomoedas e solicitam que eles digitem suas informações privadas.

Ainda que esteja suscetível a certas vulnerabilidades como qualquer outra transação, a privacidade e proteção possíveis com os ativos digitais são muito vantajosas. Para reforçar a segurança na hora de utilizar seus bitcoins, os usuários podem colocar em prática algumas medidas, confira:

Clique e

 

 

3 dicas para proteger as criptomoedas


1 - Adotar senhas reforçadas e autenticação multifator
É importante não reutilizar senhas e verificar se há suporte de autenticação em dois passos. A autenticação multifator (MFA) e a autenticação de dois fatores (2FA) são muito usadas pelos usuários de bitcoin como práticas padrão de segurança. Esses dois métodos oferecem múltiplas formas de validação de dados para se ter acesso às contas e serviços.

2 - Verificar sempre os endereços
Sempre que o usuário for enviar ou receber bitcoins é necessário verificar os 4 primeiros dígitos e os 4 finais do endereço para ter certeza de que é o correto. Portanto, o ideal é que a pessoa sempre digite o link em seu navegador ao invés de copiá-lo de algum lugar. Isso evita que o saldo seja enviado para endereços errados e golpes de cibercriminosos, que enviam links com endereços falsos para enganar o usuário.

3 - Utilizar o Cold Storage
Conhecido como armazenamento frio, essa prática pode ajudar a manter ativos digitais seguros contra hackers. Trata-se do armazenamento da carteira em local seguro que não esteja ligado à rede. Caso as moedas não estejam sendo utilizadas é mais garantido mantê-las offline para evitar vulnerabilidades online.

Ao colocar essas medidas em prática, o usuário consegue garantir uma maior proteção de suas transações. Há diversas técnicas no mercado que podem servir de reforço para garantir a segurança, portanto é ideal que o usuário busque por aquelas que se adequem às suas necessidades e se mantenha sempre atualizado para garantir que seus bitcoins não sejam rastreados por criminosos.

 

Posts relacionados

Firewall gerenciado como serviço: o que é e quais as vantagens?

Proteger as informações corporativas tem se tornado uma tarefa difícil. Por isso, as empresas precisam investir em ferramentas robustas e eficientes como o firewall na Nuvem.

5 boas práticas de Disaster Recovery para implementar nos negócios

Para que as empresas se mantenham ativas no mercado, é necessário garantir a disponibilidade de sua infraestrutura de TI. Saiba como a recuperação de desastres pode ajudar.

Security Analytics: o que é e quais os benefícios?

Conheça a ferramenta que permite que as empresas utilizem análises precisas de seus dados para tratar ameaças e riscos à segurança de seus negócios.

Escreva seu comentário