<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1159528794088341&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

CANAL WESTCON
Toda informação da tecnologia está aqui.

Os 7 erros mais comuns em treinamentos de TI e como evitá-los

Veja como estruturar suas práticas de treinamento para o sucesso.

 

Para aumentar a produtividade e estar alinhado com a transformação digital, o treinamento em TI é fundamental. Porém, infelizmente muitas organizações confiam demais na autodireção e na teoria, que possuem poucas oportunidades de aplicação prática.

Todo programa de treinamento de TI pode ter problemas. Não há nada pior do que gastar um tempo precioso criando o curso perfeito apenas para que um obstáculo imprevisto atrapalhe o andamento. Muitos treinadores se veem cometendo os mesmos erros repetidamente, mesmo sem perceber.

A Tecnologia da Informação parte da premissa que todas as novas tecnologias são intuitivas e fáceis de aprender. É preciso sempre ter atenção, pois essa suposição esconde-se por trás de muitas falhas de treinamento.

Para treinar de forma eficaz é preciso saber o que evitar. Confira a seguir 7 erros comuns para aprender a executar programas de treinamento mais bem-sucedidos.

1. Não conhecer o seu material

O principal erro do treinamento em TI é tentar ensinar aos outros sem realmente conhecer o assunto. Corrigir isso é muito simples: para criar conteúdo de qualidade e com o qual outras pessoas possam aprender, é preciso saber do que está falando.

Mesmo que seja um conteúdo que já existe, ainda sim é preciso ler e estudar antes para evitar passar informações erradas. E quando o treinamento começar, os alunos esperam que o treinador seja capaz de responder às suas dúvidas. Isso parece óbvio e simples, mas nem sempre é seguido pelo instrutor que acredita dominar o assunto sem estudá-lo.

2. Ignorar a etapa de análise

Criar um programa de treinamento efetivo sempre começa com a análise. É importante olhar para trás e fazer um comparativo com a situação da empresa e dos colaboradores hoje, por exemplo. Por isso, ignorar o estágio de análise é uma má ideia e a preparação traz recompensas no futuro.

O ideal é falar com todos os líderes de equipe sobre o treinamento atual, conhecer os desafios para um treinamento eficaz, coletar informações sobre sucessos e falhas anteriores e pedir apoio e participação dos colegas que, mesmo não tendo um alto grau de treinamento, podem ajudar com insights.

3. Objetivos pouco claros

Metas e objetivos não são iguais como alguns profissionais acreditam. Metas são itens ou etapas que se quer alcançar. Um objetivo de aprendizagem é o que o aluno será capaz de fazer quando o curso estiver concluído. É um elemento específico que o aluno terá dominado ao concluir o curso. Os objetivos são amplos e específicos.

Por exemplo: para elevar o padrão de conhecimento do produto e fazer os funcionários conhecerem seis usos de um novo recurso, é preciso criar um exame com perguntas que um cliente possa ter em relação a esse novo recurso.

4. Não considerar as praticalidades

Uma vez que as metas e objetivos estejam no lugar, é preciso moderá-los com uma visão prática. Não faz sentido criar um plano que não seja viável. Pensar no prazo, no orçamento e nos recursos à disposição é fundamental. Não deixe que o perfeito atrapalhe o caminho.

5. Fazer tudo sozinho

Durante a fase de análise, é comum se envolver com vários líderes e gerentes de equipe. Então, aqui está outra oportunidade para pedir ajuda. Obtenha especialistas no assunto para fornecer os recursos necessários para criar um ótimo conteúdo. Traga colegas para ajudá-lo a criar os melhores cursos. Alguns vão adorar a oportunidade de transmitir seus conhecimentos, outros não. Obtenha o máximo de entradas possíveis.

Cursos de construção geralmente podem ser um processo de redirecionamento de materiais existentes. Peça guias, documentos, vídeos, qualquer coisa que possa ser puxada para um curso. Quando os cursos estiverem prontos, faça com que seus colegas os pilotem antes de disponibilizá-los para a equipe relevante. Uma vez que seus colegas percebam o impacto de seu envolvimento, eles podem até desempenhar um papel importante no treinamento no futuro.

6. Sobrecarga cognitiva

Sobrecarregar os alunos do treinamento de TI é realmente ruim. Isso pode ter um efeito negativo no engajamento, na conclusão e também na aceitação de cursos futuros. Não desperdice a boa vontade de seu aluno fornecendo cursos impenetráveis. Essa frustração é difícil de desfazer.

Um ótimo treinamento deve corresponder ao tempo de atenção e disponibilidade do usuário. Tente manter os cursos em um máximo de 15 a 20 minutos.


Se o treinamento for dividido em partes gerenciáveis, forneça lembretes sobre a importância do conteúdo de um alto nível. Esses lembretes também podem conter uma recapitulação do que foi abordado na seção anterior do treinamento.

7. Má escolha de mídia

Escolha a mídia certa para seus treinamentos. Alguns treinadores sempre usaram treinamentos baseados em texto. Avalie os tipos de mídia que você está usando para dar ao profissional a melhor chance de obter as informações. Cada escolha de mídia tem seus próprios pontos fortes e fracos. E também vários níveis de dificuldade. Então, analise bem antes de fazer a escolha.
 

Posts relacionados

Escreva seu comentário