<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1159528794088341&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

CANAL WESTCON
Toda informação da tecnologia está aqui.

O que esperar do gerenciamento de TI para este ano?

Veja os 5 principais aspectos sobre gerenciamento de TI para focar em 2019.

2018 foi o ano da transformação digital. Mas não só. Também foi um ano de sérias preocupações quanto à segurança corporativa, à integridade de dados e ao recebimento de informações através do gerenciamento de TI com a máxima rapidez possível.
Ou seja, os CIOs estavam bastante ocupados em 2018 e este ano a promessa é de mais trabalho. Tanto é que mostraremos, a seguir, 5 importantes aprendizados sobre o tema para ficarmos atentos nos próximos meses.

1. A expansão da chamada TI paralela

Já ouviu falar do termo “TI paralela” (ou “Shadow IT”)? Pois bem, trata-se de uma área onde os usuários finais não somente desenvolvem como também implantam seus próprios aplicativos. Detalhe: sem ajuda ou conhecimento de TI. Segundo pesquisa recente do Gartner, a TI paralela recebe de 30 a 40% dos gastos totais dessa área em grandes empresas.
Há cerca de 1 ano, pesquisas indicaram que as empresas estavam usando em torno de 1230 aplicativos em nuvem, enquanto que os seus CIOs pensavam que suas organizações estavam utilizando apenas 30 ou 40.
Agora, em 2019, os CIOs tendem a ficar no topo do gerenciamento de TI quanto aos seus ativos, trabalhando com o intuito de desenvolver estratégias tanto colaborativas quanto de compartilhamento de informações com os seus usuários finais.
É uma necessidade que façam isso, pois, caso contrário, a quantidade de aplicativos de TI das empresas ficará fora de controle. Resultado: segurança fragilizada e perda da qualidade de dados.

2. A movimentação da computação por meio da Internet das Coisas

A implantação da Internet das Coisas prosseguiu de maneira cautelosa nesse ano que passou.
Ainda assim, as empresas conseguiram firmar uma dessas tecnologias que será muito útil agora em 2019: a movimentação de sensores, dispositivos e servidores da TI central e em áreas bem específicas, como manufatura e gerenciamento de instalações.
Isso demonstra que tanto a Internet das Coisas quanto a computação de borda aumentarão o seu leque de possibilidades nos próximos meses.
Pelo fato de o gerenciamento de TI de ponta continuar longe dos data centers, os usuários finais que não possuem experiência em TI serão possivelmente convocados para operar e manter esses ativos.
Pelo menos essa função a área deve cumprir, conseguindo assim rastrear ativos e gerenciar a segurança.

3. Atenção ao gerenciamento de fornecedores

Está se tornando algo gradativo: quanto mais a nova tecnologia é introduzida pela TI (ou até mesmo pela TI paralela), mais a responsabilidade final pelo gerenciamento tanto de relacionamentos como de contratos de fornecedores será direcionada de volta para ela.
Isso implica dizer que com mais TI terceirizada para fornecedores em nuvem, a área continuará assumindo uma importante função de gerenciamento com fornecedores, além de rastreamento de contratos e garantia de que os SLAs estão sendo devidamente atendidos pelos fornecedores específicos.

4. A segurança continuará sendo prioridade

2018 continuou a ter notícias sérias sobre violações de segurança, servindo como ameaças às carreiras de CSOs e CIOs nas empresas.
Os impactos são muitos, inclusive situações que envolvem valores da marca e reputação da organização. Tudo isso pode ser abalado pela violação de segurança.
É bom ficar atento, porque a segurança de dados e de sistemas continuará sendo uma ação contínua, buscada pelos CIOs em 2019.
Isso inclui vários fatores, como a proteção da computação de ponta e Internet das Coisas, a criptografia e o fechamento de dispositivos downfield e a execução de auditorias de engenharia social para avaliarem quão segura é a TI interna das ações dos funcionários.

5. É hora de jogar o lixo fora!

A transformação digital veio para revolucionar algo fundamental em nossas vidas: trocar um emaranhado de papéis por dados armazenados em ordem em um único servidor interno ou em nuvem, injetando dados recém-digitalizados em processos atuais de negócios.
Assim a automação dos processos mais burocráticos foi possível. Em 2019, cabe pensar o que fazer com todos esses dados reunidos. Por isso, caberá a CIOs e gerentes de dados selecionarem quais dados serão realmente necessários.
Se no passado os gerentes ficavam receosos em descartar dados, hoje em dia isso é fundamental para não acumular informação desnecessária, e gastar dinheiro para manter o que pode ser apenas “lixo”.

Parte integrante do processo

Com as novas tecnologias, a área de TI se tornou fundamental para as empresas.
Portanto, é necessário ter em mente que um gerenciamento de TI adequado fará a organização progredir, economizando em determinados setores e auxiliando para as ações de outros, uma grande responsabilidade, mas que vale a pena enfrentar.

 

Posts relacionados

5 boas práticas de gestão de demandas de TI

Aprenda a fazer uma gestão eficiente e seja capaz de lidar com as mudanças do mercado, proporcionando melhores resultados para os negócios.

Gestão de custo em TI: o que é e como economizar?

É preciso ter orçamento, planejamento e uma dose de iniciativa.

Guia prático para uma gestão de TI eficiente após a era digital

Ter gerenciamento de TI é fundamental para o bom funcionamento do departamento dentro das empresas.

Escreva seu comentário