<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1159528794088341&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
CANAL WESTCON
Toda informação da tecnologia está aqui.
  • Westcon-Comstor lança o BlueSky Solutions Markeplace
  • Free Trial SEP Cloud - Alta proteção de endpoints com uma solução intuitiva. Ofereça já para seus clientes.
  • Partner Portal
  • Mantenha os dados seguros em tempos de Transformação Digital - Fortinet
  • Acesse agora
  • Partner Portal
  • _banner-home-mobile_-symantec-sep-cloud.png
  • Mantenha os dados seguros em tempos de Transformação Digital - Fortinet

Como fica a privacidade de dados nas análises de Big Data?

Postado por Equipe Westcon em 18/set/2018 5:00:00

Neste artigo explicamos o dilema das empresas de hoje em dia em suas estratégias de marketing e de que forma esse problema está sendo lidado hoje em dia. 

 

Como fica a privacidade de dados nas análises de Big Data?

 

O aumento do volume de dados presentes na Big Data e das formas que ele pode ser analisado pelos profissionais de TI aumenta uma preocupação que é objeto de discussão pela maior parte dos profissionais de hoje em dia: como a privacidade se dá nas análises do Big Data?

De onde surgem os problemas de privacidade no Big Data?

O principal desafio do Big Data e da análise dele é a privacidade das pessoas. O limite de até onde a empresa pode chegar com os dados é o principal a ser definido.

Um ótimo exemplo é a empresa de sorvetes Magnum, que criou um software no ano de 2014 chamado M-Pulse. A ideia do aplicativo era tão interessante quanto sua forma de funcionamento. Os usuários usavam ele em seus celulares e com a tecnologia de proximidade feito por uma outra empresa, um sinal era enviado direto do smartphone em busca de alguém que comercializava sorvetes Magnum em uma região próxima. A partir do achado, então os usuários convidariam amigos para ir no local e curtir.

A ideia inicial da empresa era promover essa integração entre os amigos das pessoas e popularizar a venda do sorvete Magnum, bem como enviar certas publicidades para os usuários, de acordo com os perfis deles. O uso do aplicativo acarretava, portanto, na análise do Big Data e de que forma os anúncios deveriam ser direcionados aos usuários.

A proposta não é inovadora, pois tem o intuito de aumentar o marketing da empresa pelo meio social de quem já é cliente. Entretanto, ela cria problemas e desafios em relação à privacidade dos consumidores e dos dados que são coletados para a realização dessa publicidade. O feedback também pode ser coletado pela empresa para melhorar ainda mais o desempenho do aplicativo.

O problema de tudo isso está nos dados e, ao mesmo tempo que os desafios são inerentes às análises deles, o marketing também depende dessas duas coisas. As oportunidades que surgem para o marketing estão sempre relacionadas aos dados e às análises.

Segundo a cientista sênior de dados da empresa Microsoft, Anusua Trivedi, o principal desafio dos profissionais de marketing dos dias de hoje é como fazer decisões baseados nos dados que existem hoje, e não coletá-los. Contudo, como manter essas análises da forma que estão sem infringir a privacidade dos cidadãos é uma decisão que também pertence a quem gerencia os dados.

 

Saiba por que a mobilidade corporativa é essencial para o futuro da sua empresa

 


A principal questão envolvida na análise do Big Data é: como manter a privacidade dos dados dos clientes?


A prioridade dessas empresas que analisam grandes quantidades de dados deve ser uma postura que indique qual a ação a ser feita quando ocorre algum vazamento ou ciberataque. Contudo, a postura não se limita apenas ao profissional de TI e nem a equipe envolvida na análise do Big Data. Ela precisa estar na cultura da empresa em geral, seja no maior ou menor cargo dentro dela.

A legislação também pode ajudar nesse caso, reforçando e dando ênfase para medidas de segurança ao limitar a coleta de alguns tipos de dados. Ainda assim, as empresas estariam lidando com mais outros desafios como os limites do marketing, o que pode afetar drasticamente o funcionamento dos processos e ampliação dos consumidores.

No caso do aplicativo do sorvete Magnum, o ideal era também pensar na segurança do aplicativo no momento de realizar seu design. Tentar utilizar a menor quantidade de dados possíveis dentro do Big Data a fim de diminuir riscos relacionados ao vazamento de dados ou invasão de privacidade. Pode acontecer de dados serem coletados para abusar da privacidade dos cidadãos e vender essas informações para outras empresas. Apesar disso já ser ilegal, era objeto de discussão no início do Big Data.

No geral, a privacidade dos dados depende da forma que eles são armazenados e de que maneira serão explorados dentro da empresa. Não é só trabalho das equipes de TI, no entanto, buscar delimitar esse uso de dados dentro do direito de privacidade de cada um. O desenvolvimento de aplicações e de estratégias de marketing estão cada vez mais integradas, portanto, as companhias precisam adotar uma postura relacionada à privacidade dos dados.




Categoria(s): Big Data