<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1159528794088341&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

CANAL SYNNEX WESTCON
Toda informação da tecnologia está aqui.

Como elaborar uma política de segurança da informação em tempos de trabalho remoto?

Garantir a proteção dos dados corporativos neste momento é indispensável para o sucesso dos negócios. Saiba quais medidas colocar em prática!

Diante do atual cenário em que vivemos, muitas empresas estão adotando o trabalho remoto como alternativa para manter seu negócio funcionando e, ao mesmo tempo, respeitar o isolamento social imposto devido ao coronavírus.

Essa forma de trabalho é capaz de trazer inúmeros benefícios para os negócios e pode garantir que as empresas não tenham grandes prejuízos durante o período de quarentena.

No entanto, um assunto que vem se tornando destaque junto ao Home Office é a cibersegurança. Com o trabalho remoto em alta, manter os funcionários protegidos tem sido um dos maiores desafios para as organizações atualmente. De acordo com pesquisas realizadas por empresas de cibersegurança 40% dos brasileiros entrevistados disseram ter recebido emails de phishing relacionados ao coronavírus. 

Esse tem sido uma das armadilhas utilizadas pelos cibercriminosos durante esse período. Eles estão tentando fisgar suas vítimas por emails que supostamente dão informações sobre a pandemia. 

Devido a isso, contar com uma política de segurança da informação bem elaborada em tempos de trabalho remoto é fundamental para garantir o sucesso dos negócios. Seus clientes já possuem uma? Confira a seguir como elaborá-la corretamente.

Política de segurança da informação e o trabalho remoto

Política de segurança da informação é o conjunto de regras e normas documentadas por uma empresa que visa definir e controlar o acesso e a transmissão de suas informações.

Diante do novo cenário, em que o modelo de trabalho remoto está amplamente sendo utilizado, a importância desse plano de orientação é ainda maior, pois ele visa definir os procedimentos que minimizam riscos e protegem os dados críticos dos negócios.

Fortaleça o poder de colaboração

Com o avanço cada vez mais rápido dos recursos tecnológicos e as transformações digitais no trabalho, nunca houve tantas informações sensíveis circulando dentro e fora das empresas. Por isso as empresas precisam proteger suas estruturas de TI contra ciberataques e criar uma cultura de segurança cibernética. 

É importante ter em mente que essa digitalização crescente de dados também acarreta em aumento da vulnerabilidade a ameaças digitais. Logo, ter diversos colaboradores trabalhando e acessando os dados corporativos de diferentes lugares eleva a necessidade de se elaborar uma política de segurança da informação eficiente.

Como elaborar uma política de segurança da informação?

Para montar uma política de segurança da informação corretamente é importante ter em mente que esse documento deve ser revisado constantemente, pois ele deve seguir as especificidades de cada negócio. Assim, conforme as demandas da empresa mudam, ela também deve ser alterada.

Não existe um modelo padrão para todas as organizações, você deve seguir as necessidades de seu negócio e as especificidades e regulamentações do segmento de sua organização. 

No entanto, é necessário adotar alguns pontos importantes na elaboração de toda política de segurança da informação. Confira quais são:

Definição dos responsáveis pelo processo

Principalmente com os colaboradores trabalhando cada um de sua casa, é importante que a empresa tenha bem estabelecido quais são os responsáveis por levar a política a diante.

Essa equipe será responsável por elaborar a política, atualizá-la sempre que necessário e também de monitorá-la para garantir que todos a cumpram corretamente.

Realização de um diagnóstico interno

Para que você possa estabelecer todas as regras e normas da política, primeiro é necessário entender o ambiente interno. Portanto, deve investir em uma análise de diagnóstico para identificar todas as necessidades.

Nessa etapa, serão identificados todos os ativos de informação da empresa, os acessos dos usuários, as ameaças e vulnerabilidades. Com o trabalho remoto essa fase é fundamental, pois você passará a conhecer todos os dispositivos que estão sendo utilizado por eles fora da empresa, assim como todos os conteúdos acessados externamente.

Desse modo será possível saber com clareza quais são os dados e ativos que mais demandam de proteção e quais ações devem ser tomadas para garantir a segurança deles.

Classificação dos dados corporativos

Após conhecer a rotina de acesso aos dados, é necessário classificá-los de acordo com o tipo de informação. Uma opção é separá-los em: internos, públicos, secretos e confidenciais. 

Ao classificá-los será possível definir quais informações precisam de maior controle e nível de proteção. Assim, você poderá definir quem terá acesso a cada tipo de dado e reforçar a segurança daqueles mais críticos.

Criação de critérios de acesso

Com a classificação de cada tipo de informação, a empresa poderá determinar os níveis de acesso a eles. Nem todos os colaboradores precisam ter acesso a todos os dados, é possível definir restrições.

Para isso, a TI deve analisar quem precisa daquele acesso para realizar o trabalho diário, além de determinar em qual período eles poderão ser consultados e por quais dispositivos e sistemas. 

Desse modo a empresa poderá ter um controle maior sobre os seus dados sigilosos, diminuindo as vulnerabilidades causadas pelo trabalho remoto.

Além desse passo a passo para elaborar uma política de segurança da informação eficiente, é necessário que as empresas tomem alguns cuidados a mais com o trabalho remoto. Há uma série de medidas que podem auxiliar nesse momento, como: 

  • Assegurar que os funcionários saibam quem contatar caso haja problemas com a segurança dos dados corporativos;
  • Realizar treinamentos e fornecer medidas de conscientização para que todos saibam como utilizar seus acessos da forma certa mesmo remotamente; 
  • Estabelecer medidas de proteção voltadas para o trabalho remoto, como  criptografia, backup e proteção por senhas;
  • Garantir que softwares, dispositivos, aplicativos e serviços estejam sempre atualizados em suas últimas versões;
  • Instalar software de proteção de qualidade em todos os equipamentos, incluindo os dispositivos móveis. 

Garantir a segurança dos dados corporativos nesse momento de trabalho remoto é indispensável. Portanto, coloque as medidas listadas nesse artigo em prática e elabore uma política de segurança da informação corretamente. Isso será crucial para manter o sucesso dos negócios.

 

Posts relacionados

6 passos para proteger os usuários remotos em grande escala

Para garantir a continuidade dos negócios é necessário investir nos recursos de segurança certos para os colaboradores em home office.

Como adequar os serviços em Nuvem à LGPD?

Devido ao coronavírus, a vigência da lei de proteção de dados é adiada. No entanto, é fundamental que as empresas continuem tomando as medidas necessárias para entrar em conformidade.

Mobilidade e segurança: como garantir a proteção dos usuários e dispositivos?

Para que as empresas sejam capaz de oferecer segurança em qualquer lugar e para qualquer dispositivo é necessário contar com a plataforma de segurança de rede Strata ™ da Palo Alto.

Escreva seu comentário