<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1159528794088341&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

CANAL WESTCON
Toda informação da tecnologia está aqui.

6 requisitos de segurança para substituir as soluções tradicionais de antivírus

A proteção das informações corporativas é uma necessidade vital no mundo empresarial devido ao número crescente de ataques cibernéticos nos últimos anos.

 

6 requisitos de segurança para substituir as soluções tradicionais de antivírus

 

Tornou-se fundamental adotar soluções que acompanhem as constantes evoluções das estratégias dos cibercriminosos. Para enfrentar esses desafios, até recentemente, os antivírus eram as ferramentas mais utilizadas pelas empresas.

Ainda que as soluções de antivírus tradicionais protejam praticamente todos os endpoints e servidores, as violações de segurança continuam a ocorrer em taxas alarmantes. Isso acontece devido a esse tipo de proteção ser uma solução reativa focada na detecção e na resposta a ameaças conhecidas.

Criminosos experientes são capazes de driblar os antivírus com ferramentas automatizadas que geram diversos ataques exclusivos e desconhecidos. Dessa forma, eles estão se tornando inadequados para proteger sistemas corporativos contra as violações atuais.

Para ficar protegida contra as novas ameaças do cibercrime e das falhas de soluções tradicionais de antivírus, as empresas devem focar, primeiramente, na prevenção. É a única forma efetiva e escalável de reduzir a frequência e o impacto dessas violações.

Por isso, separamos 6 requisitos essenciais para uma solução abrangente de segurança de endpoint que protege sistemas e usuários tanto de ameaças conhecidas como das desconhecidas. Confira quais são eles:

1 - Evitar violações no endpoint por meio de bloqueio de ameaças conhecidas e desconhecidas.

É necessário mudar a postura de detecção e resposta a incidentes depois que os ativos já tenham sido comprometidos, assim, é possível impedir que ocorram violações na segurança.

Portanto, os endpoints devem ser protegidos contra ameaças conhecidas, desconhecidas e de dia zero originados de malware, quer os dispositivos utilizados estejam interna ou remotamente, conectados ou não à rede corporativa.

2 - Proteger e permitir que usuários realizem suas atividades diárias sem riscos de ameaças

Uma solução de segurança de endpoint deve garantir que os usuários finais consigam realizar seus negócios por meio de qualquer dispositivo e tecnologias móveis baseadas em nuvem sem se preocupar com os perigos de ciberataques desconhecidos. 


Eles devem estar confiantes e saber que estão protegidos contra a execução acidental de malware e explorações que comprometam seu sistema.

3 - Converter automaticamente a inteligência de ameaças em prevenção

A tecnologia de ameaças obtida por meio de encontros com ataques novos e exclusivos, tais como provedores terceirizados de serviços de inteligência e construções de compartilhamento de ameaças públicas, deve permitir que os agentes de endpoint impeçam instantaneamente malwares conhecidos além de identificar e bloquear os desconhecidos, impedindo ambos de infectar o endpoint.

4 - Fornecer proteção total para todos os aplicativos.

Falhas na segurança em aplicativos fornecem agentes de ameaças com uma grande superfície de ataque que antivírus tradicionais normalmente não conseguem se defender. Portanto, a infraestrutura de proteção corporativa deve se estender a todos os aplicativos, incluindo aqueles terceirizados e de proprietários, contra exploração.

5 - Entregar uma solução leve e escalável.

Os mecanismos de prevenção contra violações não podem comprometer a produtividade do usuário, por isso, as soluções de proteção de endpoints devem ser escaláveis, leves e de fácil uso, sem exigências de recursos significativos do sistema que poderiam invariavelmente degradar a experiência e o rendimento.

6 - Oferecer suporte para sistemas em que patches não possam ser aplicados.

Muitas vezes, a empresa pode preferir não implantar as atualizações de sistemas e patches de segurança, pois poderiam reduzir as capacidades operacionais essenciais ou em situações em que ainda utilizam softwares mais antigos, os patches não estejam disponíveis.

Por esses motivos, é fundamental que uma plataforma completa de endpoint consiga evitar a exploração de vulnerabilidades do software, tanto as conhecidas como as desconhecidas, independentemente da disponibilidade ou da aplicação de patches de segurança.

Uma das grandes vantagens da proteção de endpoint é a possibilidade de atuar verificando arquivos com maior precisão e descobrir o que é ameaça ou não. Além disso, garante uma defesa mais abrangente do que o antivírus.
Portanto, para manter a real proteção dos dados corporativos é necessário buscar por um fornecedor que irá oferecer suporte para a implementação e planejar a melhor forma de realizar a transição dos modelos antigos para as novas soluções de segurança.

 

Treinamentos Palo Alto Networks

Posts relacionados

Firewall gerenciado como serviço: o que é e quais as vantagens?

Proteger as informações corporativas tem se tornado uma tarefa difícil. Por isso, as empresas precisam investir em ferramentas robustas e eficientes como o firewall na Nuvem.

5 boas práticas de Disaster Recovery para implementar nos negócios

Para que as empresas se mantenham ativas no mercado, é necessário garantir a disponibilidade de sua infraestrutura de TI. Saiba como a recuperação de desastres pode ajudar.

Security Analytics: o que é e quais os benefícios?

Conheça a ferramenta que permite que as empresas utilizem análises precisas de seus dados para tratar ameaças e riscos à segurança de seus negócios.

Escreva seu comentário