<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1159528794088341&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

CANAL WESTCON
Toda informação da tecnologia está aqui.

5 tendências de Business Intelligence para 2019

Para que os negócios fluam, é preciso que o profissional de BI esteja atento a todas as tendências.

 

25_01_Westcon-[700x165]

 

 

Analisar um grande volume de dados e depois descobrir o que fazer com eles não é uma tarefa fácil. Após a coleta e análise, pesa sobre o analista de Business Intelligence (BI) a responsabilidade da tomada de decisão tendo como referência as informações que ele tem em mãos.

Esse tipo de análise é fundamental para fazer planejamentos, otimizar tempo e direcionar os trabalhos. Porém, alguns aspectos em Business Intelligence auxiliam as empresas a focar seus projetos em determinadas áreas, o que faz com que suas estratégias sejam bem-sucedidas.

Para que os negócios sigam de forma consistente, o profissional de BI precisa possuir qualificações em áreas diversas, ou seja, ser multidisciplinar, e estar por dentro de todas as tendências que a área traz todos os anos.

Conheça cinco das principais tendências de Business Intelligence para 2019 que todo profissional deve se atentar e usá-las em suas estratégias hoje:


1. Inteligência Artificial

O crescimento da adoção de Inteligência Artificial (IA) já é uma realidade na maioria das empresas e quem não adotar em 2019 pode considerar que está ficando para trás. Quase 40% das empresas já possuem algum tipo de automação em IA e uma porcentagem maior já está com projetos encaminhados para uma implantação o quanto antes.

O uso de chatbots é um bom exemplo. Por mais que a tecnologia ainda deixe a desejar em alguns aspectos, as empresas estão trabalhando em constantes melhorias para ajustar os sistemas. E como essa é uma forte tendência, seu bom funcionamento está na pauta das melhorias de todas as empresas que já adotam IA em qualquer setor.


2. Automação

Segundo estimativa do Gartner, até 2020 mais de 40% de todas a tarefas de ciência de dados serão feitas por máquinas, sem a interferência humana. Na verdade, essa já é uma realidade em diversos setores e automatizar qualquer etapa de qualquer processo é a meta de todos os gestores de TI.

A demanda por análises é sempre enorme e não há pessoas qualificadas suficientes para atendê-la, portanto, automatizar processos tem sido primordial para o bom andamento das etapas produtividades de qualquer corporação. As organizações percebem que precisam fazer mais com menos e a melhor maneira de reduzir o tempo para o valor é através da automação.


3. Storytelling

As organizações precisam que seus dados sejam interpretados e contextualizados. Por isso, eles criam funções especializadas para isso. É nesta etapa que os analistas precisam estar dispostos e bem qualificados para fazer o que chamamos de storytelling, ou seja, contar histórias. Neste caso, a história e trajetória dos dados.

A questão é: quais conjuntos de ferramentas esses intérpretes de dados usarão? Algumas empresas criaram essa capacidade internamente. Por exemplo, já estamos vendo alguns fornecedores de startups trazendo ferramentas de storytelling para o mercado que contam narrativas de formato longo com dados.

Mas a maioria desses fornecedores é um nicho específico e nenhum participante significativo da indústria tem ainda um módulo ou produto de contar histórias de dados. O mercado espera grandes desenvolvimentos no próximo ano neste setor.


4. Governança de Dados

O setor de TI, que gerencia as inovações tecnológicas, precisa ter governança de dados. Por isso essa é uma forte tendência para 2019. Empresas e indústrias que possuem governança clara têm classificações mais altas e operam com mais eficácia a inteligência de negócios e a administração dos dados.

Se os dados coletados não forem bem administrados ou suas informações não forem precisas, poderá ocasionar uma falta de confiança nos líderes de maneira generalizada. Além disso, é importante que as empresas sigam o GDPR (Regulamento Geral de Proteção de Dados) que já está em vigor para garantir que a governança de dados não seja ignorada.


5. Linguagem Natural

Mesmo que o Natural Language Querying (NLQ) exista há alguns anos, ele não tem apresentado um grande desempenho e adesão porque não há uma grande demanda por consultas baseadas em textos. Os principais fornecedores (Thoughspot, Qlik, Tableau, etc) têm NLQ baseado em texto. Basta digitar a pergunta para ter a resposta.

Especialistas da área acreditam que a nova tendência para o NLQ seria um comando por meio da voz. Fica mais fácil de combinar com o BI móvel e certamente terá maior adesão e eficácia. Um bom exemplo é a assistente Siri do iPhone, usada quando o usuário está em mobilidade e não no computador.

Além dessas tendências, há muitas inovações sendo desenvolvidas. Procure sempre saber o que está em fase de testes, o que é viável e quais são as novidades do mercado de TI.

Posts relacionados

Escreva seu comentário