<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1159528794088341&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

CANAL WESTCON
Toda informação da tecnologia está aqui.

5 erros que seu cliente não pode cometer no gerenciamento de riscos

Esse procedimento pode trazer diversas vantagens, mas se não implementado corretamente pode acarretar em grandes prejuízos para as empresas.

 

06-12_Blog_West-[700x165].png

 

O gerenciamento de risco é essencial para administrar o ambiente corporativo, cada dia mais complexo devido às novas tecnologias que estão surgindo no mercado. Esse processo controla os negócios e visa equilibrar os riscos e custos com operações para diminuir o impacto negativo sobre os projetos das empresas.

Para medir a confiança de projetos, a TI deve realizar um bom gerenciamento por meio da identificação, análise e monitoramento dos problemas potenciais que possam atingir o sistema corporativo.

Os riscos operacionais podem causar grandes prejuízos para os negócios, podendo impactar com gargalos em processos, gastos desnecessários e até acarretando em atrasos na entrega de produtos e serviços aos clientes. Por isso a equipe de TI deve seguir um bom planejamento para encontrar as condições mais favoráveis e implementar o gerenciamento de risco com sucesso na corporação.

A adoção do gerenciamento de risco não é uma tarefa fácil, a TI precisa lidar com algumas especificidades e ficar atenta a possíveis erros que possam atrapalhar o processo. Confira quais são os principais erros cometidos pelas empresas e evite que seus clientes caiam nessas armadilhas:

1 - Confundir gestão de risco com auditoria

Muitas vezes, empresas confundem esses dois processos, ainda que possuam funções e resultados diferentes. Eles podem ser considerados complementares, mas o equilíbrio visado pela gestão de riscos não refere-se às questões de compliance.

A gestão busca garantir o controle e a otimização de todos os processos para evitar riscos. Seu objetivo é preparar a corporação para lidar com os possíveis problemas para que os impactos sejam os menores possíveis e, assim, estar pronta para passar pelas auditorias com sucesso.

 

Bai

 

 
2 - Não definir corretamente a metodologia usada

Há diversas metodologias de gerenciamento de riscos em TI, por isso, é fundamental que a TI defina qual será a melhor escolha para sua empresa. O modelo selecionado deve ser aquele que seja capaz de atender a todas as necessidades dos negócios. Apenas assim, será possível colocar o plano de implementação em prática e atingir os resultados esperados.

3 - Considerar apenas os riscos de ciberataques

Outro erro muito cometido pelas empresas na gestão de risco é levar em conta apenas ameaças de ciberataques no controle e diagnóstico de riscos. Um bom procedimento deve considerar, também, outros fatores, como a possibilidade de falhas em equipamentos, erros no sistema, indisponibilidade de serviços, entre outros problemas.

Portanto, para um gerenciamento de riscos ser bem-sucedido, é necessário levar todas essas possibilidades em consideração.

4 - Categorizar tudo como risco

Ao mesmo tempo em que não é certo levar em conta apenas ameaças de hackers no processo, o excesso no escopo de monitoramento também prejudica e sobrecarrega o projeto.

Assim, o ideal é que a TI esteja preparada para delimitar o universo de riscos que podem afetar sua empresa e, por isso, devem ser monitorados. Assim, é possível racionalizar a gestão de risco, sem gastos desnecessários.

5 - Considerar o processo apenas uma responsabilidade da TI

Normalmente, o gerenciamento de risco é visto como uma tarefa exclusiva da equipe de tecnologia da empresa. No entanto, para que seja bem-sucedido, deve ser incorporado às práticas de governança e integrado aos demais setores, para passar a fazer parte dos demais processos empresariais.

Dessa forma, torna-se mais fácil para os responsáveis pelo procedimento conseguir contribuições importantes sobre os impactos de ativos de tecnologia nos outros departamentos e entender melhor a cultura organizacional da empresa, além de tornar possível conscientizar os colaboradores sobre como mitigar e identificar riscos em potencial.

 

Posts relacionados

Como escolher uma solução de segurança de endpoint?

A primeira etapa na escolha da melhor solução de segurança de endpoint é entender o que sua empresa precisa.

Inteligência de ameaças cibernéticas: o que é e qual a importância para empresas?

A inteligência de ameaças cibernéticas ajuda as organizações, dando-lhes insights sobre os mecanismos e implicações das ameaças.

O que considerar na segurança do servidor de uma empresa?

Para manter a disponibilidade e proteção dos dados corporativos é necessário assegurar que toda a infraestrutura esteja protegida contra as ciberameaças.

Escreva seu comentário