<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1159528794088341&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

CANAL SYNNEX WESTCON
Toda informação da tecnologia está aqui.

4 fatores-chave de um plano de gerenciamento de riscos

Estar preparado para qualquer evento é o que permite um projeto ser elaborado no tempo certo, sem afetar as pessoas envolvidas e a estrutura organizacional.

Gerenciar projetos pode indicar a necessidade de um plano para o gerenciamento de riscos, pois eles podem acontecer e afetar inevitavelmente o trabalho.

Como um agente que lida diariamente com a estrutura de um projeto, seja no desenvolvimento ou como membro da equipe, é preciso estar ciente de que alguns contratempos (previsíveis) podem acontecer e se preparar para isto.

Este é papel ideal de um gerenciador de riscos, minimizar o impacto, casa haja um.

O que é um plano de gerenciamento de risco?

Como o nome indica, é um plano de ação que identifica, analisa e resolve os possíveis riscos de um projeto, ideal para evitar ou minimizar os danos.

Este documento precisa ser feito com muita cautela pelo gerente do projeto e, se possível, com o auxílio de empresas especializadas em sua área de atuação. Assim, a chance de haver erros é menor.

Após identificar, resolver e protocolar os possíveis riscos pode-se começar o projeto, sempre levando em consideração as ações e reações.

Desta maneira, fica até mais fácil concluir um projeto, pois os profissionais terão em mãos os caminhos a serem seguidos e quais devem evitar a todo o custo, além de ter um manual de instrução caso aconteça algo que foi previsto.

O que é considerado fator de risco ao projeto?

Algo que foge do controle humano e tende atrapalhar uma obra, mesmo que por pouco tempo, além de eventos provocados pela natureza e tempo. Uma definição comum de risco é um evento incerto que, se ocorrer, pode ter um efeito positivo ou negativo nos objetivos de um projeto.

Neste caso, pode-se levar em consideração fatores que provocam riscos negativos e riscos positivos.

É normal associar este termo com algo ruim, mas não é sempre assim. Aliás, é possível extrair algo provindo de técnicas arriscadas ou de um acontecimento inesperado.

E é exatamente por isso a importância de elaborar um plano com possíveis ações, variando do segmento para extrair insights positivos sobre algo inevitável ou inesperado.

New call-to-action

A incerteza está no centro do risco. Você pode não ter certeza se um evento pode ocorrer ou não. Você pode estar incerto sobre quais seriam suas consequências se isso ocorresse, isso é a probabilidade e ela deve ser respondida com todos os seus possíveis acontecimentos.

É uma ação a ser feita com muita cautela, paciência e sabedoria, evitando pensamentos e atitudes precipitadas.

4 fatores-chave de um plano de gerenciamento de riscos

Estar preparado para qualquer evento é o que permite um projeto ser elaborado no tempo certo, sem afetar as pessoas envolvidas e a estrutura organizacional.

Por isso, é importante ter plena atenção em todos os detalhes no momento de desenvolver um plano de ação para minimizar os riscos de um projeto.

1 - Conheça os tipos de riscos

Liste todos os possíveis riscos. Como e em qual período do projeto eles podem acontecer?

É importante entender que há duas situações para o risco: Riscos que impendem o andamento do projeto e os riscos organizacionais, ou seja, levando em consideração os clientes, funcionários e etc.

2- Avalie as consequências

Após conhecer os possíveis fatores de risco é preciso conhecer as consequências. Lembre-se, cada evento pode levar há um acontecimento, então esteja preparado.

3 - Ações práticas

Conheça os riscos, suas consequências e elabore ações práticas. Aconteceu algo durante o andamento do projeto, o que devo fazer agora?

Esteja preparado!

4 - Monitore seus riscos

Após saber quais são os seus riscos, agora é hora de determinar como saber quando esses riscos vão ocorrer. Só assim você saberá quando colocar as ações corretivas em prática.

Acompanhe todo o processo, tenha gatilhos e alertas para cada um dos riscos altos e médios. Assim, conforme o seu projeto caminha, você vai ser capaz de saber quando um risco se tornar algo

Dica extra: analise a eficácia das estratégias implementadas

Avalie suas estratégias de mitigação e contingência e refaça a avaliação de seus riscos.

Se você aprender como aplicar um processo sistemático de gerenciamento de riscos e colocar em prática as principais etapas do processo, os seus projetos serão executados com mais fluidez e serão uma experiência positiva para todos os envolvidos.

 

Posts relacionados

Como fazer uma gestão de custo em TI?

É necessário que as empresas realizem sempre um planejamento efetivo e alinhe as estratégias de TI aos negócios para ter sucesso na gestão de custo.

Quais as principais ferramentas e técnicas de gerenciamento de dados?

Decisões importantes fundamentadas em dados crus podem ser muito perigosas para as empresas.

5 boas práticas de gestão de demandas de TI

Aprenda a fazer uma gestão eficiente e seja capaz de lidar com as mudanças do mercado, proporcionando melhores resultados para os negócios.

Escreva seu comentário