<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1159528794088341&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

CANAL WESTCON
Toda informação da tecnologia está aqui.

10 dicas para aproveitar ao máximo a SD-WAN

  • Categoria:

    Redes

    | Tempo para ler: 6 min

A abordagem definida por software permite que as redes corporativas otimizem a entrega de aplicativos e seja uma solução rentável aos negócios de seu cliente.

 

10 dicas para aproveitar ao máximo a SD-WAN

 

As redes corporativas estão se transformando para conseguir atender aos novos tipos de trabalho e demandas de negócio que surgiram graças à tecnologia. Por muito tempo, as empresas utilizaram a rede MPLS, que é uma rede de trânsito, realizada por protocolo, a qual transporta pacotes em roteadores e permite a criação de redes privadas isoladas do tráfego. Porém, surgiu uma abordagem alternativa, a SD-WAN, com a intenção de substituir ou reduzir as necessidades de redes privadas como a MPLS, que gerava grandes gastos e provisionamento mais lento.

SD-WAN (WAN Definida por Software) é uma abordagem para a concepção e implementação de uma WAN (Wide Area Network) que utiliza a rede definida por software (SDN) para determinar a forma mais eficiente para rotear o tráfego para locais remotos. O objetivo dela é simplificar a configuração da rede, proporcionando maior agilidade e redução de gastos para a empresa.

Ao contrário da WAN tradicional, a SD-WAN permite trazer para o hardware de rede e transporte características das aplicações que utilizam a rede. Assim, é capaz de monitorar a qualidade da rede, facilitando que o departamento de TI tome decisões inteligentes com base no fluxo de tráfego de aplicativos.

O modelo tradicional não consegue atender a todas as demandas de largura de banda que as empresas atuais necessitam, por isso é necessário a transição para a SD-WAN que facilita o gerenciamento de rede. Soluções dessa nova abordagem combinam a tecnologia definida por software com o gerenciamento de aplicativos e a otimização da rede WAN, garantindo uma melhor experiência para os usuários finais, que podem se conectar dentro do local de trabalho ou de forma remota.

A partir desse tipo de rede, os aplicativos são entregues de forma segura e otimizada em redes híbridas, com custo reduzido e maior velocidade. A TI passa a ter total controle e monitoramento sobre as redes por meio de dispositivos remotos, usando uma única interface, além de ser possível adicionar conectividade WAN, sempre que for preciso mais agilidade.

Esse modelo garante às empresas uma melhor relação entre gastos e desempenho. A gestão de tráfego é facilitada, sendo possível lidar com o aumento do tráfego de forma prática, com conexões de banda larga mais baratas, as quais não poderiam serem usadas anteriormente. Embora as conexões não ofereçam garantias, aparelhos SD-WAN podem monitorar caminhos e endpoints para entender se o link é capaz de transportar o tráfego, em tempo real e de forma confiável.

A abordagem SD-WAN injeta inteligência em seleção de caminhos não usados anteriormente, redirecionando as configurações de tráfego em uma base contínua, dependendo do estado da rede. As ferramentas também tratam de problemas de desempenho de aplicações causados por restrições da banda larga. Por exemplo, caso um link de internet de banda larga seja lento, pode-se usar links de WAN privadas.

Empresas de diferentes setores e tamanhos podem implementar essa solução e usufruírem de seus recursos. A configuração dessa abordagem é uma ótima forma de corporações começarem a ampliar suas redes MPLS para permitirem maior banda larga e, ao mesmo tempo, reduzirem custos. Essas companhias podem criar planos para realizarem a transição aos poucos e de forma segura.

Para garantir a eficiência desse processo, é importante que a contratação do serviço de rede SD-WAN seja realizado de forma correta junto a operadora, para que seja possível aproveitar todos os benefícios. Por isso, confira 10 dicas que podem ajudar o seu cliente na negociação:

1. Enviar um RFP

Solicitar um RFP (Request For Proposal), que é um convite enviado a um grupo de fornecedores para apresentarem propostas de venda de produtos ou serviço, é o primeiro passo. O processo de construção de um RFP ajuda a garantir que os gestores WAN realmente irão entender as necessidades da empresa de seu cliente.

2. Avaliar as necessidades atuais e futuras

Um dos grandes problemas enfrentados por gerentes de WAN é pensar nos serviços de rede apenas para a situação atual da empresa. Como a maioria dos contratos duram vários anos, uma WAN que está dimensionada para as exigências do momento talvez não sejam suficientes, pois os requisitos necessários podem mudar antes do contrato terminar. É importante levar em conta um planejamento de possíveis aumentos e inovações, como a consolidação do Data Center do servidor e, implantação de desktops virtuais, crescimento (ou redução) do número de usuários, entre outras.

3. Adaptar o contrato de serviços de rede aos requisitos de WAN

Outro erro cometido pelos gerentes de WAN é se concentrar muito em uma tecnologia ou serviço específico sem considerar alternativas para as diferentes aplicações. A WAN exige diferentes combinações de serviços, por isso, devem ser analisados todos os processos que serão realizados antes de se fechar o acordo.

4. Considerar a proposta de diversas operadoras

Muitas vezes, para agilizar o processo, a escolha de um fornecedor é feita sem avaliar outras propostas. Porém, isso é necessário caso o objetivo seja conseguir os melhores preços e serviços mais competitivos.

5. Executar o RFP o quanto antes

Normalmente, prazos apertados para a implantação da SD-WAN, podem prejudicar o processo final. Por isso, iniciar a RFP o quanto antes é ideal, além de estabelecer prazos razoáveis e cumpri-los.

6. Solicitar e receber Acordos de Nível de Serviços (SLAs)

SLAs são comuns em praticamente todos os contratos. Os parâmetros exatos dependem dos serviços que serão adquiridos. Perdas ou problemas podem acontecer, por isso, é aconselhável negociar garantias de manutenção e provisionamento.

7. Evitar créditos por causa de falhas no serviço

O que acontece se um SLA não é cumprida? O fornecedor pode oferecer benefícios para o próximo mês de conta, porém, raramente isso compensará o impacto dos possíveis problemas ocorridos, como uma falha de falta de energia ou de provisionamento. Negociar a quebra de contrato sem penalidades é uma alternativa.

8. Definir metas reais

Antes de começar, é necessário estipular prazos reais a serem cumpridos, pois, por exemplo, se a operadora leva de 45 a 60 dias para instalar um circuito, planejar que esteja tudo instalado e funcionando em 30 só irá atrapalhar os negócios.

9. Negociar de forma clara e objetiva

O acordo deve ser fechado de forma que ambos os lados estejam satisfeitos. É importante negociar o que a empresa realmente necessita e saber se o provedor realmente pode fornecer todos os recursos. Isso evita que problemas futuros aconteçam.

10. Contratar apenas quando todas as necessidades forem atendidas

Após pesquisar possíveis fornecedores, o contrato deve ser fechado apenas quando for possível definir qual empresa oferece todas as concessões desejadas. Caso haja recursos importantes para o negócio que não façam parte do acordo, o ideal é considerar outro provedor.


As negociações de um contrato de WAN devem ser realizadas com cuidado para que não ocorra nenhum prejuízo, por isso o processo pode ser demorado. Porém, após a implementação da abordagem SD-WAN correta a empresa de seu cliente aproveitará todos os benefícios oferecidos sem nenhum imprevisto.

 

CTA Juniper - Torne-se uma revenda

Posts relacionados

Como a tecnologia 5G irá transformar o Data Center?

A conectividade 5G introduz a ideia da metodologia “muitos para um” no que se refere à conectividade sem fio.

  • Redes | Tempo para ler: 3 min

O que é monitoramento proativo de redes e quais seus benefícios?

As empresas se tornaram dependentes da disponibilidade de seus sistemas. Uma simples falha pode prejudicar seus serviços, causando graves prejuízos financeiros.

  • Redes | Tempo para ler: 3 min

Por que a rede é a última fronteira da automação de TI?

Apesar de a maioria das empresas ainda gerenciar suas redes de forma manual, isso tende a mudar muito em breve.

 

Escreva seu comentário